sexta-feira, 18 de dezembro de 2020

A tua imagem e a minha fraqueza


O poder da tua imagem em mim...
Só eu sei desde quando.
Você não lembra porque não notava.
Eu te via desde antes de você me ver. Eu te pensava desde antes de você me ver. Eu te queria desde antes de você me ver.
E quanto eu quis que ao me ver você também me notasse, me pensasse, me quisesse.
Durante todo o tempo eu soube ver em nós dois o que mais ninguém viu.
De tanto sonhar acordado o futuro que quis próximo, eu já sabia como queria te tocar, o que queria te fazer sentir, o quanto de mim queria à disposição de tudo de você. E por causa dessa certeza de que você é tanto, que só o meu todo poderia chegar perto desse teu quanto.
E tudo isso antes de saber tua voz, antes de saber teu cheiro, antes de saber teu gosto, antes de saber teu beijo ou o tanto que teus olhos são capazes de queimar. 
É o poder da tua imagem em mim. É o poder dessa ideia de um encontro forte, intenso o bastante para a tuas pernas tremerem mais que tua pele arrelia. E que disputa bem vinda saber de todo o teu corpo, qual te confessa mais.
Quantas vezes minhas mãos tremeram à ideia de tocar tuas pernas e meus olhos molharam à ideia de te ver (te fazer) verter o prazer mais íntimo a tomar conta do que tenho de mais íntimo, como um convite de quem oferece morada, oferece abrigo.
Sim. Tua imagem é a minha fraqueza. 
Porque te sei o tanto que te vejo. E te vejo forte, decidida e confiante o bastante para se dar por inteira a quem sabe te receber e também sabe te tomar e te levar e ir com você até o mais alto pico do prazer conjunto que você quiser gozar.
Ah... a tua imagem! Que não me falte. Que se renove. Que seja carne o que não se quer só ilusão.

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

O que te impede?


O que te faz renunciar a vida? Que crença te faz abrir mão dos teus desejos, dos teus prazeres, do teu egoísmo? O que te faz escolher simplesmente dizer “não” para o que muitos talvez dissessem sim? Medo? Amor? Moral? Esperança? 
Se eu fosse invejar as religiões seria pela perspicácia dos líderes que se aproveitaram do medo as pessoas têm da morte para convencê-las de que após a morte há mais vida, mas para que essa outra vida seja boa, você precisa ser bom e obediente desde essa. 
Me diz se não são uns sacanas espertos. 
E não estou entrando no mérito da existência do Deus. Até porque acredito que haja um Deus que não é nenhum desses vários deuses (desses que cada crente tem o seu e o adapta ao que lhes é útil). O que eu questiono é quem deixa de viver sua vida por causa do que lhe disseram que é Deus. 
Gosto do verso dos Mutantes que canta que é melhor “não ser um normal se eu posso pensar que Deus sou eu”. Vocês devem conhecer essa música, ela chama “Balada do louco” e, por essa óptica, o que mais tem são loucos por aí. Gente que acha que o seu modo de viver é o que, como diz meu avô, já os deixam de malas prontas para ir para algum céu e que o modo de viver do outro o destina para algum inferno (como se, muitas vezes, o inferno não fosse viver com gente que se acha moralmente superior aos demais ao invés de apenas entender que são só diferentes). 
Mas eu também gosto de pensar como Deus e toda vez que faço isso, apesar de consciente de que sou falho e falível, penso que se eu fosse Deus não gostaria que alguém abrisse mão de suas vontades por medo de uma condenação eterna. Amor não combina com medo do amado. 
Mas talvez você me pergunte: mas abriria mão dos teus desejos e vontades por amor? E daí chegamos em um dos pontos em que mais pensei ao longo da minha vida: o amor quando é amado não pressupõe renúncia porque não há ao que renunciar. Mas quando é amado mesmo. Quando é sentido pelos cinco sentidos. Amor que vê e é visto e que tem gosto, cheiro, confissões de paixão, desejo e saudade ao pé do ouvido... amor que tem pele com pele.  
Quando é assim outros mundos são desinteressantes porque já temos nosso lugar no mundo. Portanto, não renunciamos ao mundo, mas nos lançamos a ele com toda nossa força e coragem e ousadia... paixão. 
Mas a pergunta que talvez seja mais importante é: você sabe o que deseja? E realmente tem certeza de que quer isso que acha que deseja? Você sabe por que pensa que gosta do que gosta ou o que falta para que fantasie o que fantasia? Você sabe de onde vem tua expectativa por uma vida de um ou de outro jeito e por que ainda não encontrou teu desejo mesmo com tanta história na tua vida? 
O que te impediu de dizer o sim que faria toda diferença? O que te impediu te coragem de se despedir, de terminar, de ir embora ou até de fugir? O que te impede recomeçar? Em nome de que vida mais ou menos você escolha não se dar a chance de se superar? 
Reflita e tente viver diferente. 

sábado, 11 de julho de 2020

Tempos para uma nova ordem: as fronteiras da humanidade devem cair


E de repente descobrimos que somos coadjuvantes da vida do resto do mundo.
De repente finalmente descobrimos que aquilo que fazemos conosco repercute na vida de muita gente que não é a gente.
De repente as pessoas se deram conta de que vivem numa comunidade que vai além de quaisquer paredes ou fronteiras. Que é bobagem achar ruim com haitiano, boliviano, chinês ou coreano. Que você pode se pensar vivendo num país de primeiro mundo ou no apartamento de luxo no ponto mais alto. O que os outros fazem e vivem te atinge. O que você faz e vive, atinge aos outros. E por uma razão muito, muito, muito simples e que deveria ser óbvia: somos todos da mesma espécie.
Essa divisão por cores, credos, nacionalidades, tudo isso é apenas um monte de bobagem quando a gente entende que somos todos tripulantes dessa nave azul de natureza tão castigada e bonita que alguém escolheu chamar de Terra.
Esse vírus nos ensina que o desamor, que a vingança, que a soberba e a ganância não agregam e nem contribuem. Pior do que isso: apenas revelam que os que assim se conduzem, se comportam e se conformam têm o pior em si.
Por outro lado, continuamos tendo a possibilidade de fazer a diferença e de entender que muitas vezes a personagem coadjuvante cativa mais do que aqueles que se julgam principais. Porque o coadjuvante, na medida em que contém o todo, faz com que todos se identifiquem de alguma com suas angústias, suas dores ao mesmo tempo que, empáticos, torcem pela sua superação.
Vivemos tempos de poucos abraços – alguns, de nenhum; vivemos tempos de isolamento que têm ensinado que a tecnologia é compensatória, mas jamais deve ser o principal. Porque não há chat em vídeo que substitua o perfume, o toque, o som, a presença que faz com que nós nos sintamos tão amados e queridos e desejados como desejamos, queremos e amamos.
Oxalá que ao final dessa temporada, as fronteiras não se ergam, mas se abaixem. A humanidade não se odeie, mas se repense, ressignifique, se ame.
Oxalá haja, de fato, uma nova ordem no mundo que agregue o mundo em torno de um único e suficiente ideal: enquanto estivermos aqui, estejamos uns com os outros. Não importa qual a sua crença, qual a sua cor, seu gênero e seus sonhos. Aprendamos. Sem o medo do anticristo, do diabo ou dos homens. Apenas medo de não sermos humanos.
Quem confia em Deus, peça ao seu Deus; quem confia em deuses, apegues aos seus deuses. Se não são deuses, mas forças da natureza que te inclinem para o bem, é o que você deve viver. Não me cabe de convencer de nada que tenha a ver com tua alma. Até porque acredito que cedo ou tarde, todos entenderão que nunca houve um único Deus sendo pregado no mundo; cada um sempre fez seu próprio Deus. Apenas seja justo como se espera a justiça de um Deus que valha a pena seguir.
E desaprenda a pensar só em você. Você está isolado em casa porque o mundo conta contigo, você também conta com o mundo... no final, só somos um quando somos parte do todo.

sábado, 4 de julho de 2020

A dificuldade de ser de quem a gente quer


Não sei se já aconteceu com você, mas muita gente já testemunhou que tem dificuldade de se aproximar da pessoa por quem têm interesse. Chegam a dizer que quando querem algum envolvimento, acham mais fácil flertar e conquistar alguém que atraia (ainda que não ao ponto de mais do que a “one night stand”), do que se aproximar daquela pessoa que faz sonhar um futuro todo feliz.
E eu já posso dar um spoiler: quando eu finalmente encontrei essa pessoa, minha melhor atitude foi esconder o medo, disfarçar a vergonha e me aproximar. Nunca fui tão feliz.
Mas, sim, eu disse medo e você pode ter pensado: mas então é questão de medo? Medo de quê?
Há 50 anos Caetano já nos lembrava que “narciso acha feio o que não é espelho”. Geralmente, ou temos consciência que ostentamos um capital estético desfavorável, mas mesmo assim queremos aquela pessoa que serviu de modelo para o padrão de beleza mundial; ou não temos essa consciência e insistimos na pessoa que serviu de modelo para o padrão de beleza mundial, ou procuramos quem se encaixa perfeitamente nos nossos sonhos, planos, gostos, afetos, apetites, fetiches...
Penso que esse último caso é o caso da maioria das pessoas.
Afora a controvérsia em relação à diferença de idade entre as partes envolvidas no relacionamento (na Grécia eles acreditavam que mais velhos deveriam se envolver com mais novos para haver crescimento intelectual destes que passariam para os próximos e assim vai), a maioria das pessoas costuma desejar quem seja como ela. E, não raro, quando nos apaixonamos por alguém a quem ainda não conhecemos nos detalhes da sua personalidade, é porque vemos algo de nós neles. Em outras palavras, acabamos nos apaixonando por nós, só que no corpo do outro (“narciso acha feio o que não é espelho”).
Mas aí começa a angústia. Porque, inconscientemente, passamos a nutrir um medo ainda maior de uma rejeição que será mais doída. Se nos apaixonamos pelo nós neles, uma vez que não nos queiram, estaremos sendo rejeitados por nós mesmos. E não tem dor maior do que descobrirmos que não servimos para quem somos. Isso tanto quando nos esforçamos para sermos a melhor versão de nós, quanto quando nos importamos menos com a aprovação dos outros.
Ora, sermos rejeitados por nós mesmos é tudo o que a nossa autoestima não precisa se quisermos continuar seres desejosos e desejantes. Então, como também dá pra ser feliz sonhando felicidade, não nos arriscamos a descobrir o que mais poderíamos viver se tivéssemos coragem de insistir na nossa alegria e no nosso prazer.
A nossa dificuldade de ser quem a gente quer é a de nos perdermos de nós justamente quando nos encontramos (e daí apostamos em tantas outras gentes, nos misturamos a elas, magoamos e somos magoados e ficamos ansiosos nos perguntando: quando alguém como eu finalmente me dirá que me quer para que, então, não precise ser eu a me arriscar? E ele/ela que lute!)

sábado, 13 de junho de 2020

A falta que a gente se faz

Acontece com muita gente. Já aconteceu comigo e já aconteceu com quem eu gosto. É como se em algum momento da nossa vida percebêssemos que fomos separados... da nossa vida.
Sim, porque a vida vive. E enquanto ela vive ela nos exige algumas adaptações, algumas resoluções, algumas concessões ao tempo e às circunstâncias que, no longo prazo, se não bem inteligidas, nos desnaturam. Fazem com que, muitas vezes, olhemos no espelho e não nos reconheçamos mais. É como se perguntássemos: quem é esse que é como alguém que eu nunca quis ser?
É sempre um perigo quando nos afastamos de nós mesmos. Porque há aquele modo de viver que a gente mesmo entende que nos representa, que nos significa tanto que serve até como um porto, um ponto de descanso repleto de um silêncio entrecortado apenas pelos pensamentos que nos assaltam e se impõem à nossa reflexão.
Acontece que esses pensamentos de silêncio são, não raro, a urgência da nossa existência. Representam a necessidade de centrarmos quem somos naquilo que, mais do que precisamos, efetivamente somos. E é claro que isso pressupõe um nível de honestidade nossa para conosco que parece ser cada vez menos comum.
Vivemos tempos de distrações. Tempos em que o mundo, as pessoas do mundo, parecem dispostas a fazer com que reajamos mais do que reflitamos antes da ação. Um mundo que prefere nos entristecer para nos manter sobre o controle da alegria programada pelo mesmo tempo da obsolescência consumerista e o preço da nossa desatenção é nos descobrirmos cobaias de experimentos que nos legam uma miséria interior, um vazio de bons sentimentos, um excesso de desejos irrealizáveis, um caminho torto em rumo de um destino inexistente.
Esse é o ponto. Como se afirmara um dia: ou sabemos onde queremos chegar, ou pegaremos qualquer estrada. E qualquer estrada pode ser o mais longo caminho para lugar nenhum. Precisamos nos conhecer, nos conectarmos com nós mesmos. Precisamos da coragem de confrontar o mundo que nos envolve, suga e que quase não nos devolve o que realmente possamos aproveitar.
Por isso é importante que de tempos em tempos silenciemos o mundo à nossa volta, olhemos para o nosso reflexo no espelho e nos perguntemos: eu sou quem eu estou?
Apenas não tenha medo de se descobrir, se duvidar, se reinventar e começar tudo de novo. Ninguém, mais do que você, gozará a delícia de se permitir gozar o que deseja viver sendo quem deseja ser. Não se limite.
E quando tudo parecer desmoronar se pergunte: “o que deixei de fazer por mim?”. Nunca é tarde para começar.

sábado, 16 de maio de 2020

Seven! Seven! Seven!


Homens são de marte, mulheres são de vênus; homens fazem sexo, mulheres fazem amor; homens gostam de safadeza, mulheres gostam de carinho... tudo bobagem. Pode até servir para vender livros. Mas é tudo uma besteira paralisante, traumatizante... Tudo preconceitos de quem, por alguma razão, quer fazer acreditar que, entre homens e mulheres, há diferença de essência só porque há alguma diferença biológica. Mas é tudo uma questão de má cultura.
E a partir daí reforçamos estereótipos dos mais nocivos, né? Menino não brinca de boneca, menina tem que fazer balé e ser delicada; tudo bem os meninos não serem cuidadosos, mas as meninas precisam desde cedo saber cuidar da casa e entenderem de fogão.
Na medida em que crescem, tudo bem o rapaz rir e fazer piadas machistas, falar mal de casamento ou se gabar da sua falta de apego; tudo bem o rapaz consumir pornografias, falar de suas venturas e desventuras sexuais (se bem que, não sei vocês, mas em se tratando de desventuras é muito raro o homem se confessar ruim de cama. Mesmo quando rumores apontam que ele é) e tudo bem ele beber demais. Mas se a mulher faz isso... meu Deus! Não vale nada, é uma tarada, adúltera, safada, dessas que, na boca de gente ruim, ouvem até que não servem para casar (e, pessoalmente, se existir isso de servir pra casar, acho que são essas que realmente servem).
Enfim... por alguma razão de excesso de machismo (e nesse vídeo eu quero conversar com vocês: vocês também acham que o machismo é fruto da insegurança do homem que não sabe lidar com os sonhos, os desejos e a vontade da mulher sentir prazer?), alguém quis normalizar que as mulheres são tudo o que o homem não é e não podem gostar como o homem gosta.
O saldo disso é que ainda se reprime e se represa a sexualidade feminina. Ainda há mulheres que no alto de suas vidas adultas “ouvem”, desde a sua memória, as censuras das avós, das tias, da mãe para que não se toquem, não se descubram. Essas mesmas mulheres que também são as que anseiam serem tomadas com força, com vontade, por mãos bem espalmadas pelas curvas dos seus corpos, por dedos ora delicados, ora ágeis a explorar os detalhes da sua pele e do seu corpo; que anseiam pela boca que não tem preguiça de percorrer sua boca, sua nuca, sua pele, pernas, cintura, ventre... seven, seven, seven!
E que falta de sorte dessas que ainda se veem envolvidas por homens incapazes de olharem suas próprias mulheres como mulheres. Homens incapazes de olharem para o seu lado e serem gratos pela mulher que tem e que lhes deseja, lhes quer. Homens que não conseguem vê-las como pessoas que desejam sentir, que até sabem ou saberiam sentir, mas que lamentam quando não sentem. Homens incapazes de perguntar se elas fantasiam porque não saberiam lidar com o fato de que no meio de uma tarde qualquer a mãe dos seus filhos, a mulher que quer pra si, ela também se pega pensando como seria bom sair correndo dali e se dar e possuir quem lhe faça a boca gemer e o corpo sorrir.
Homens que são capazes de terem amantes, mas não são capazes de serem amantes.
Por outro lado, ouvi de uma comerciante querida que muitos homens têm procurado aprender sobre produtos destinados à satisfação de suas parceiras. E que bom! Mas espero que eles saiam dos casulos e das vergonhas e parem de falar com os amigos de um jeito que parece que estar na cama com suas esposas é um favor, uma obrigação e entendam que nenhum gracejo de mesa de bar é mais importante do que o desejo da mulher com quem ele divide o seu lar.
E da mesma forma, que não tenham medo de dizer que às vezes querem, sim, um carinho, um beijo, um abraço e um cafuné. Não precisam se querer mostrar insensíveis, desses cuja única carência é por mais sexo. Homens também podem querer o afeto e a tranquilidade vindo da certeza de se saber amado.
Homem, descubra o que tua parceira quer e seja o parceiro dela. O companheiro. Que juntos vocês sejam os desbravadores do mundo misterioso de vocês dois. Não se acomode, nem ache que já sabe de tudo. Queira aprender; queira ser melhor! E descubram que é possível ser casado, ser homem e ser feliz.
Mulher, não tenha medo de querer, de confessar o que quer, de viver, se permitir. Não deixa que os outros (que não são você) imponham o que você vai ou não viver. Busque e tenha no seu parceiro, o teu amigo, o teu abrigo, teu confidente, amante e companheiro. Confie e seja confiável. O coração pede, mas o corpo também.
Aceitem-se, descubram-se, não se julguem, se tenham e se gostem cada vez mais.    

terça-feira, 21 de abril de 2020

Realidade e fantasia: dois mundos que deveriam ser um só


Quem disse que entendemos o mundo?
O mundo é aquilo que vemos, mas é também o espaço em que vivemos. Alguns têm um mundo vasto, outros um mundo que se reduz a si, mas seja como for, o mundo é o que experimentamos e diretamente ligado a como o experimentamos. Mas por que eu trago essa questão?
Um homem e uma mulher se encontram. Àquela altura seriam incapazes de dizer que o outro estava pior. O desânimo e a desilusão tanto lhes eram as sensações mais comuns que, a quem perguntasse, logo diriam que a vida que têm nem vida é.
Isolados na dor que escondiam do mundo enquanto acumulava, dia após dia foram cuidando de enterrar os sonhos que preferiam evitar sonhar e passaram a questionar qualquer possibilidade de o mundo realmente ser mais do que essa obrigação maçante de se estar vivo pensando que se está tudo bem.
Sonhos... de que servem se não se realizam de per si? Por que alguém gastaria seu tempo com desejos?
Pragmáticos, já nem assistiam aos dias que passavam e, suas vidas, ao contrário do que se deveria, não lhes somavam vida. Perdiam ela.
Mas que tipo de escolha é essa? Quem escolhe o menos? E por que razão? É excesso de frustração, falta de imaginação? Uma opção consciente por uma vida que, sendo mais ou menos, não traz o risco de se sentir falta dos melhores tempos que, se forem, talvez não voltem?
Acontece que tem um outro ponto: quem decidirá o que é o melhor da vida? O melhor da vida será o que sonhado ou o que vivido? O melhor da vida é a realização de um projeto ou o acaso bem trabalhado? E isso é importante porque os sonhos podem fazer toda a diferença. Afinal, o que separa o sonho da fantasia?
Em alguma medida nós somos recorrentemente vítimas do nosso próprio dualismo. Se não quando se fala em corpo e alma, somos dois em relação ao real e ideal, ou seja, somos dois ao menos em relação ao que vivemos e ao que fantasiamos. Nos construímos dois mundos e estaria tudo bem, não fosse o fato de que os antepomos um ao outros como se eles fossem refúgios em que segredamos nosso medo de não nos realizarmos.
Quando não tomamos cuidado, no mundo da fantasia depositamos toda nossa tristeza com o mundo dos sentidos, da pele. No mundo fantasia é que deixamos guardadas as nossas expectativas em relação a quem nos queremos no mundo e para o mundo e o que nos queremos desse mundo. É nele em que encerramos a nossa vontade de sermos mais felizes do que tristes e é onde sonhamos sonhos de grandeza na vida profissional, na vida familiar, no sexo, no amor. É nesse mundo em que somos imortais e, tudo o que queremos, acontece sem nenhum tipo de arrependimento ou frustração porque na fantasia não precisamos nos adaptar ao mundo. Ele é para nós. Ele é feito sob medida para alegrar. E ele alegra. Sim. Porque ao nos imaginarmos felizes e campeões em tudo, sentimos aquele acréscimo de autoestima que nos faz nos sentirmos incríveis, pelo menos nessa fração de segundos em que olhos abertos brilham o sonho acordado.
Mas no mundo da fantasia, a autoestima esfria mais do que aquece. Porque o calor é questão de química e física realizadas no atrito próprio do encontro que estimula sentidos que se acordam à simples presença de quem é palpável porque é real.
Sonhe-se o melhor dos sonhos e ainda assim ele não se fará sentir no corpo. Porque a fantasia não é sensível como a realidade se faz sentir. E, nesse mundo da realidade é onde, não poucas vezes – por alguma razão de circunstância e conveniência – nós suportamos a desambição, desistimos das revoluções e das atitudes que nos moveriam para além da nossa própria esperança de uma vivência melhor.
Esperança... bendita ou não? Porque a fantasia e a realidade não precisam ser polos distrativos. A fantasia pode – deve – ser o combustível das ações no mundo real, a busca pela certeza de que a vida não foi dada para o mais ou menos e que esse mundo que tantos fazem que seja dois, deve ser um como uma é vida e como uma são tantas as oportunidades
Um homem e uma mulher se encontram. Àquela altura seriam incapazes de dizer que o outro estava pior. O desânimo e a desilusão que lhes eram as sensações mais comuns não passavam da falta dessa esperança. Nada mais eram do que a sensação de que tudo o que quiseram foi uma construção arquetípica a que conduzidos pela arte, pela poesia, pelas histórias que consumiram, mas que, em si, nunca realizaram.
Mas entrevistássemos suas almas e elas confessariam que a desesperança é só o disfarce encerrado no mundo que trancafiaram no subsolo dos seus sentidos. A desesperança não passaria de um manto a espera de ser descoberto, como aquela máscara de ferro que por anos manteve cativo aquele que nascera para ser rei.
E fossem de fato práticos, deixariam de temer a esperança de se realizarem e confiariam que a vida é dádiva dada a quem não se economiza e se lança e se arrisca e se dá sem medo porque viver é isso: é ser de quem te tem e ter quem da gente se faz.
Ah... mas se não acontecer pelo menos não perdi a delícia da fantasia! Mas é onde você se engana. Não há fantasia perfeita que seja melhor do que a realidade e por mais que você espere demais, basta a coragem de entender que o que você quer não é questão de chegar pronto, mas de saber até que ponto está disposto a revelar o que deseja como forma de saber até onde se pretende chegar.

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Foco em viver (contemplação)

As pessoas parecem que não vivenciam a intensidade de mais nada além do próprio medo, da vaidade e do orgulho. Estamos cada vez mais incapazes de contemplar. Tudo é superficial.
Se algo dura mais do que 3 minutos a gente já divide a nossa atenção. Perdemos a condição do foco. Assistimos a TV mexendo no celular (na verdade, muitas vezes a TV virou rádio). 
Filme? De que adianta o ator treinar uma expressão, o diretor escolher um ângulo específico de câmera, o escritor se esmerar no texto ou o compositor traduzir as emoções em música se entre um frame e outro eu cuidarei de ver se alguém falou comigo ou reagiu a mim? 
Quando estamos conversando via internet, enquanto um digita a gente vai em outro grupo, em outra conversa; às vezes conversamos pessoalmente, mas enquanto o outro fala, nós — de soslaio ou acintosos — corremos os olhos para tela do celular. E nisso ficamos mantendo vários diálogos sem nos dedicarmos verdadeiramente a nenhum. 
Se você reparar, quando colocamos uma música, muita vez é só pra que haja algum barulho. Sequer podemos dizer que realmente a ouvimos e escutamos. Se alguém perguntar de um solo de guitarra ou de um verso específico, é capaz que nem tenhamos prestado atenção.
Queremos tanto ficar vivos, mas pra que se vivemos como se nada mais importasse além de estar em todos os lugares sem pertencer esse dedicar a nenhum? É como se a nossa ambição fosse experimentar tudo, mas sem sentir nada. Por medo da dor renunciamos até a alegria.
Triste demais.

domingo, 9 de fevereiro de 2020

Sonho que gostei de sonhar

Premissa: Tempos atrás a personagem conheceu uma terapeuta tântrica. Há muito tempo não a vê, mas há poucas noites sonhou com ela. Resolveu lhe contar como foi:


“Eu te procurava porque precisava ser atendido por você, precisava do que você sabe fazer. Mas naquele dia parecia que não seria possível. Você já me recebeu dizendo que, justamente naquele dia, estava trabalhando com massagens que direcionavam a ‘viagens interiores’, mas não poderia fazer comigo porque eu não ainda não estava pronto. 

Ainda assim, você me pedia pra sentar numa sala onde eu te esperaria por algum tempo.

Eu fico sem entender, mas teu sorriso era tão cheio de paz e autoridade (e até compaixão) que eu só obedeço. 

Depois de um tempo você volta vestindo um tipo de quimono azul com detalhes dourados e vermelhos. Mas ele era diferente. O tecido era como de seda, com mangas largas e descia pelo seu corpo cobrindo desde o teu colo até tua cintura, mas aberto apenas na lateral do teu abdômen, ali na região das tuas costelas. Ele também era cumprido até exatamente acima do joelho. 

Você também tinha um tipo de faixa azul na testa e que segurava teus cabelos. 

Disse que me ajudaria mesmo sendo prematuro e me pediu que eu sentasse na cadeira e não tirasse os olhos dos teus olhos.
Pegou minha mão direita e massageava a palma com os dois polegares. Em silêncio. E eu não podia tirar os olhos dos teus olhos. 

De repente, não sei como e nem de onde, começou uma música instrumental. Você me dizia pra respirar fundo e segurar o ar por 15 segundos. Desceu pro meu pé esquerdo. Dizia que balancearia minhas energias.

Em pouco tempo meus olhos eram vendados e você dizia que era pra eu deitar e aceitar o que viria. Pra confiar em você. Que não seria você a me tocar, mas você estaria ali o tempo todo porque era importante que eu não perdesse o contato com a tua energia.

Eu tinha sempre que respirar fundo e demorar pra soltar o ar. E a cada vez era como se o mundo girasse e eu fosse apagando enquanto sentia como se pés andassem sobre mim ao mesmo tempo que me descolava do chão. 

E eu te sabia ali, sabia que você estava ajoelhada e sentada sobre teus calcanhares, mas não conseguia te ver. 

Me vinha uma angústia porque era como se onde eu estava só fizesse sentido por tua causa e era bom estar ali. Mas eu precisava ter a certeza de que era verdade e a verdade era você. 

Até que a música instrumental mudou pra um vocal. Não identificava a letra, mas era como se ele mandasse em mim.  E, descolado do chão e rodando, me via com o rosto pra cima e meu corpo planando lentamente até eu sentir o tapete. 

Eu sinto uma mão no meu peito dizendo ‘vem’. Eu abro os olhos e te vejo sorrindo. Agora o batom que você usa era azul e a roupa que você vestia era o mesmo modelo, mas verde e lilás. Não parecia haver paz nos teus olhos. O que tinha era força e domínio. 

Eu tentava entender o que era o ‘vem!’ que você dizia com um sorriso completado por um olhar firme.

Você estava entre a porta e eu. 

Levantou-se e foi andando de costas, virada de frente pra mim. 

Continuava balbuciando ‘vem’.

Eu me levantei. Não vestia nada. E não sabia como nem em que momento fiquei assim. 

Vou na tua direção e isso parecia certo. Você para e encosta na porta. Diz ‘vem!’ (uma última vez). 

Dessa vez abre os braços, me abraça e fala no meu ouvido: ‘agora vai ficar tudo bem. Que bom confiou e eu esperou’.

Abriu a porta, alguém me ofereceu um terno azul é uma gravata tbm azul só que mais clara e você disse que era pra eu ir. 

Eu me viro enquanto você caminha indo embora pro outro lado e se despindo daquele quimono. 

Eu vejo a sombra do teu corpo que sei nu, mas não vejo nu. Eu te pergunto quando vou te ver de novo. Você responde algo do tipo: ‘talvez nunca. Ou sempre que precisar.’.”

quarta-feira, 2 de outubro de 2019

Revelações podem ser mais que desabafos: pensando os amores que tive em mim (que amor foi o meu?)


Cada vez acredito menos no discurso de quem é feliz sendo só de si. Não. Não acredito que é possível ser feliz sozinho. E talvez porque ainda que muitas vezes eu me sinta como se o fosse, na verdade nunca o fui. Nem sozinho, nem tão triste.
Também descobri, de mim, a falta de medo das minhas paixões. Talvez um pouco de medo como reajo a mim apaixonado. Gosto de estar, gosto de alimentar isso, mas não aprendi a manter. E nem sei se dependeria de mim me manter intenso na paixão. Mas em tempos que se fala tanto em responsabilidade afetiva e emocional, questiono-me se sou irresponsável nalguns encontros ou se consequência (sem ser vítima) de uma inconstância contra a qual luto, mas de ordinário perco.
Talvez ninguém que me leia saiba e tampouco se interesse, mas recentemente me apaixonei como há tempos desejava. Não que me faltara paixão em histórias outras. Mas dessa vez foi diferente porque eu estava diferente. Sim, porque poucas vezes me vi tão disposto a descobrir que era possível ser tudo o que ainda não tinha sido para alguém e que muitas vezes duvidei que um dia seria. As noites de sono eram precedidas dos melhores pensamentos, desejos e fantasias. As manhãs já começavam na expectativa de algum aparecimento de quem, por um tempo, não só aparecia como permanecia. Mas a distância que mantive dela foi a mesma que já mantinha desde quando sequer a conhecia.
Apaixonei-me como nunca. Não vivi como sempre. Sofri? Talvez. Me arrependi? Jamais! Desisti? Exatamente de quê...?
Porque é assim que acontece: é um ciclo de correspondências e falta de correspondências. Já quis sem ser querido; já fui querido sem querer; algumas vezes quis e fui querido; outras tive quem não me queria tanto quanto eu lhe tive sem também lhe querer. A maior parte disso não tem ganho, não tem lucro, é só perda.
Mas a vida vive, segue, não para e passa. Ninguém sabe o hoje, quiçá o amanhã. Muitas das minhas melhores relações me surpreenderam em tudo o que tinham de improvável, enquanto as que mais me pareciam naturais e certas (e desejadas) não passaram de fantasia irrealizada.
E algo que sempre me foi curioso foram algumas ocasiões em que ouvi de mais de uma pessoa que às vezes se procurara em textos postados aqui. De fato, escrevi aqui sobre poucas, mas sempre torcendo para que fosse lido por aquela que era para quem escrevia. Um jeito de me expor sem me mostrar, mesmo que me mostrando e me expondo. Me movia – ainda me move – um senso de cumplicidade que viria nos únicos olhos capazes de me entender que era a ela a que me referia (pois bem, minha analista também entenderia).
Textos, poesias, declamações, pensamentos... havia o que era para o mundo, havia o que era para o que seria o meu mundo. E até nisso mudei.
Vejo em mim que cada vez mais sou cada vez menos quem fui. Não mais aquele descrente da própria capacidade de gostar do que vive sempre constantemente atento só ao que tinha à sua volta por viver, desatento com o carinho que ofereciam, a paixão que nutriam ou mesmo o amor que dedicaram. Também por isso é que me julgo melhor do que antes. E não porque sou condescendente comigo – jamais me permiti gentilezas a mim próprio. Julgo-me melhor que antes porque hoje quase consego estar em paz comigo.
Ainda não sei quantas histórias e paixões e desilusões me aguardam. Talvez sejam muitas, talvez tenha acabado todas. Ainda sou aquele que espera algumas certezas que nem sei se existem. Mas também não deixei de ser aquele que há pouco tempo se descobriu disposto a ser quem ainda não foi e nem deixei de ser aquele que creu que poderia alcançar viver o que – e quem –  lhe faltou.
E sem ser ansioso. Sem deixar de ser paciente. Sem querer um dia de cada vez a história que não terá um final feliz porque será toda ela feliz. Nem sempre fácil, nem sempre linda, mas de saldo feliz.
Sei que o tempo correu rápido e espero que ainda haja mais por passar (de preferência sem correr). O que não quero é ser quem se perde da vida quando deixa de viver o que tem, quando fica tempo demais desejando conquistar o que não dá. Quero que seja fácil se um dia chegar a hora de, finalmente, me casar.

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Quem virá despetalar pétalas...?


I


Sinto minha dor,
Mas minha dor me é estranha
Ela dói como se me tomando aos poucos, mas                                                        por inteiro.
E me prende... me enclausura.
Mas não me mata que é pra que doa
E não me sufoca que é pra que eu sinta.
Minha dor me é desconhecida porque nem eu mesmo me aproximo dela.
É ela que me envolve a mim.
Sei que ela há e que ela está nalgum lá e é nesse lá que a mantenho
Talvez culpado e leniente no meu jeito intransigente de não me dar.


II

A verdade deve ser mesmo a de que não amo porque não entendo o amor e não sei amar.
Desconfio do carinho na medida que me incho de amargura.
E não devo estar errado quando entendo que não tenho ninguém.


III

Por que alguém se comoveria de uma dor que escondo?
Por que alguém se interessaria por alguém que se esvai em cada lágrima que não chora pra fora?
E como esse seria capaz de gostar de alguém se não gosta nem de si?
Mas gostei. E me odiei por cada vez que gostei de gostar de quem gostei.


IV

Desculpem-me as vezes que pareci gentil.
Desculpem-me as vezes que pareci interessado.
Desculpem-me até as vezes que pareci apaixonado.
Não sei se aquele era eu.
Quem sou eu para além da agressividade que, minha, se volta contra mim?
Quem sou eu para além da indiferença que imponho a que os outros nutram-na contra mim?
Porque se não é minha culpa, então é o que?


 V

De egoísmo em egoísmo e minha dor não se deve ao acaso
Sou a soma de todo desprezo que comecei primeiro por mim e prossegui
No fim, sou o inatingível de mim mesmo
Aceitei que não me aceitassem humano
E logo fui eu que esqueci de ser.


VI

Pus-me à distância de todos e até de mim.
A imagem é de alguém (eu) que se abandonou.
Se pela primeira vez me notarem e me virem com atenção, eis que me verão me dizendo adeus para mim.
E vejam lá: sou eu partindo sozinho enquanto me deixo sozinho.


VII

Sou o terremoto e o cataclismo que em mim cindiram alma e corpo e desaprisionaram o espírito.
Agora vago vário e vazio.
Deambulo frágil, cansado. Exasperado mesmo.
Tomo até o ar por inimigo. Se ele não falta, vivo.


VIII

Sou a soma de todos os nadas que tive, que tenho e que terei a oferecer.
E por isso o nada é tudo o que ofereço.
E por isso sempre ninguém quererá.
E me revelo não por querer louros de glórias malditas: só quero paz e quero escuro.
Quero o silêncio só quebrado pelo ruído cupinal na madeira. E nem esse ouvirei.


IX

É como se tivesse embebido da minha própria peçonha e é isso que me escurece a visão, me endurece o peito e me emudece a voz.
No fim, sou a razão do meu mal (e de mais quantos?)
Enquanto o tempo me escapa inútil, minha mente gira como um carrossel de rostos e corpos e risos e                                                                                              sorrisos que poderiam ter me feito bem.
Mas mesmo o desejo desses e por esses se esvai em mim e comigo.
Até esse desejo passa e não se justifica nem no começo, nem na desdita.
Sim. Em algum momento eu as teria feito mal
Então, que se prostrem à providência que lhes guarda bem e lhes mantiveram distante de mim.
Adeus para elas também.


X

Tóxico não é o que injeto, mas o que ofereço.
Apartai de mim vós que não me conheceis e alertai aos que não têm a mesma sorte.
E quando ouvirem de mim, não lamentem meu fim.
Não fiz o que era preciso.
Não faltarei ao encontro, à reunião, à festa...
Só faltarei à saudade.
Mas enquanto vou, é ela que me invade.
Oxalá Deus se desembuce e consiga, pelo menos Ele, me explicar.


20 de setembro de 2019
6h34

sábado, 24 de agosto de 2019

O amor me puniu (carta de um possível desabafo)


Noites insones são perfeitas para ajudarem entender onde foi que a vida viveu e a gente perdeu.
De repente a gente revolve o passado (o distante e o presente) e, na busca de se culpar pelo que deu errado, raramente se permite absolver.
É como se culpar pela confiança depositada em quem soube de você mais do que você mesmo se sabia confortável em contar e de repente... silêncio. Reclusão nem tão forçada, mas que é dessas que te deixa na dúvida do que realmente fora e, até do que será.
Mas que fique claro: a culpa é minha.
Tenho a culpa de não ter sido fiel àquilo que quis na forma que quis. A culpa de quem temeu o desejo que escapa do controle porque não sabe se perder, mas que mesmo assim se perde tentando se conter. 
Em dias como ontem, acho-me novo (por vezes até mais novo do que sou). É quando me lembro do tanto de vida e de gente que já vivi. Isso foi determinante para decisão que acabei de tomar.
De uns meses para cá, foram várias as vezes em que me arrependi de cada vez que falei o que deveria ter calado ou que calei o que deveria ter dito. Lamentei cada vez que fui ridículo por medo de ser objetivo e daí... ridículo. Mas não foi só disso que me arrependi.
Me arrependi de cada busca por mulheres em quantidades tais que hoje julgo tenham me afastado de ter enxergado que em algum momento me houve a mulher com a qualidade real.
Me arrependi por cada vez em que disse “sim” para alguém que me queria e me pediu só porque não gostei do “não” que um disseram pra mim e, de vez em vez, sem perceber, fui me violentando em sentimento e, de violência em violência fui perdendo a coragem e a clareza e sozinho e assustado, mas movido pelo coração estupido e esperançado, de repente quis quem jamais me quereria (e não quis). Mas pusilânime como são os que são como eu, tampouco me permiti lhe insistir que quem vale a pena sou eu. Antes, de silêncio em silêncio, virei as costas.
Parti. E parti carregado de um malquerer por mim mesmo, negando qualquer sentimento bonito e mentindo-o horrendo, cruel e cruento. E enquanto isso, dei-me às outras, aconselhei a tanta e tantos, romantizei em versos o amor a ser vivido, mas apenas porque distraído no pretexto de viver para os outros a fim de deixar o risco de tornar a viver para mim.
Se isso trouxe ganho ou sucesso? Ah! Quase todas as mulheres que amei, não as tive. Também não soube viver nenhuma daquelas por quem quis ser amado desde quando escolhi lhes amar.
Mesmo quando acreditei que era eu quem seduzia, percebi-me feito objeto dos quereres astutos dessas mulheres sagazes. A escolha jamais foi minha, vivido e vivendo, não raro, à revelia e à indiferença da realidade do meu desejo e da minha libido. Muitas delas ocorreram apenas porque elas quiseram e eu só estive justamente porque elas não eram aquela que minh’alma (até então) devotada precisava que fosse. E não lamento o que na juventude era até motivo de gozo. Mas agora, nessa primeira maturidade, representa só caos e vazio... de alma.
­_____________________________
Ps1.: A par disso, uma quantidade que não é muita, mas é o bastante de paixões machucadas, lamentos e dores causadas, num processo em que só eu, com minha arrogância, inocência e licenciosidade sou principal é único responsável por esse aviltamento de mim próprio.
Quis ser como os poetas, mas não me deram ópio. O fracasso é tanto que me tornei até mesmo incapaz de me embriagar daquilo que não seja o sentimento em que me afundo. Desistir da própria vida? Nem esse mérito eu seria capaz de me dar.
Mas então como posso culpar quem dê as costas ao meu chamado, me evite e se esqueça de mim? Se até a minha certeza de querer oferecer o meu melhor esbarra no meu histórico de não esconder o que também há (em mim) de pior, como não entender quem se proteja e se afaste e me afaste?

Ps2.: Não que eu inveje aqueles que se dão a quem se querem e tem quem lhes deseje. O que tenho guardado em mim é ainda muito mais e melhor do que o que há em todos eles. Mas é tudo cada vez mais guardado. Cada vez mais enterrado no profundo de uma alma que não conhece o que não seja dor; que até já esquecera como é sentir o alívio que acha que um dia sentiu. Uma alma que brincou de amar e brincou com o amor que agora, por isso, lhe pune. Pena pra essa alma que, triste e séria, até queria, mas a verdade é que não sabe chorar.

terça-feira, 6 de agosto de 2019

A falta que você não faz


A vida vive enquanto você não está. Pessoas riem quando você não está. Amantes amam quando e enquanto você não está. Amores surgem, principalmente, quando você não está. A questão passa a ser: quanto tempo dura a falta que alguém sente de você? (Isso se realmente alguém sentir a falta de você). Ou será que há mesmo quem lembre ou pense na gente?
Sim. É doído, mas talvez precise ser pensado. Vivemos a ilusão da nossa significância (se não para o mundo, talvez para alguém). Mas quão importante realmente fomos ao ponto de a nossa partida fazer falta? Ou ao ponto de quem não nos quis lembrar que algum dia teve a oportunidade de nos ter? Será que só eu que fantasio que algum dia, no silêncio de alguma noite, alguém se pegará pensando “como será que ele está?” ou “o que será que ele tem vivido?”?
Afinal, é bom saber que não foi em vão. É bom saber que não somos descartáveis e, por isso, não fomos simplesmente descartados. E enquanto a verdade não vem, é boa a ilusão de que somos pensados por alguém que é esse mesmo alguém sobre quem não deixamos de pensar.
Mas não é bem assim que funciona. Mesmo a gente pode listar pessoas que vivemos e que nos viveram e que hoje, sem algum esforço, nem passam pela nossa lembrança. E é assim porque há, de fato, outra vida acontecendo. Há outros encontros, outros projetos. Outras prioridades. Ou mesmo a indiferença de quem não está disposto a alimentar no outro (que dirá em si) qualquer tipo de contato que acrescente menos do que o potencial que tem para desgastar. E outra: se nós raramente somos a nossa prioridade, por que seríamos alguma coisa de alguém?
Então não sofra por quem não te faz questão. E nem se sinta menos. Aceite a ideia de ser útil pelo momento em que foi ou a ideia de que não te viram útil em momento nenhum. Cada um sabe de si e escolhe por si. Não se trata de não te quererem por causa de você, mas sim por causa deles. E não é justo – nem razoável – que queiramos ressignificar a vida de alguém que tem seus sonhos e sua própria ideia de viver bem.
Sendo assim, qual o valor de alimentarmos um passado com tanto potencial de aprisionamento? Por que nos prendermos à ideia de que em algum lugar alguém perceberá que cá onde estamos guardamos o melhor sentimento e a maior vontade de sermos para outro aquilo que queremos acreditar de que, “bom assim”, ninguém nunca lhe foi?
A resposta talvez esteja no medo de seguir em frente. Alimentar algumas esperanças é uma forma de não nos comprometermos com a nossa própria felicidade, tão acostumados que às vezes nos pegamos com a sensação de falta e de vazio. Pode ser que algumas vezes nos pareça mais seguro a clausura de um sentimento não vivido ou ignorado do que a liberdade de se escolher viver e correr o risco de provar nova decepção. Seria como se a rejeição conhecida fosse melhor que a nova rejeição. Aquela velha história de que “o medo de perder tira a vontade de ganhar”. Para alguns, o zero a zero é um bom resultado.
"Casablanca" (sim, o filme) mostra e ensina isso pra gente (além de sugerir que a pessoa volta justamente quando a gente acha que já não quer que ela volte. E daí é ela quem descobre que, sim, nos queria, apenas não sabia ou não podia –  Ah esses fimes!).
Mas a vida pode ser mais. Não fazer falta para alguém não significa que você não será a chegada feliz para outrem. E não é porque um dia houve esse alguém que você não se permitirá que outros surjam e te cortejem, te desejem, te possuam em corpo e alma e enquanto você se permite possuir corpos e almas, devotado que você estará em não se deixar ser vivido pela vida que é você que viverá. Porque a vida do outro vive e viverá com ou sem você, mas a tua, para ser viva (e vivida) depende toda de você. E por isso não vale a pena ficar alimentando a esperança de que alguém sentirá a falta que você não faz (e não tem problema).

segunda-feira, 29 de julho de 2019

Carta ao meu filho


Julho de 2019

Que dia feliz! Mas que felicidade diferente.
Em primeiro lugar: já te amo.
Em segundo lugar, quero te dizer coisas que talvez não possa. Então, apenas presta atenção em mim e guarda essas minhas palavras:
Não existe jeito certo de ser homem. Mas são muitos os jeitos errados.
Jamais permita que alguém te diga como você deve sentir. E jamais tenha vergonha do que sente. Nem da dor, nem da alegria, nem medo, nem da tristeza, nem do desejo. Nada.
Não é verdade que homem não chora. Não é verdade que homem tem que ser escroto, machão, mal educado ou dominador. Prefira ser sensível. Prefira entender a dor ao invés de causar a dor. Prefira sempre estender a mão à amizade e não se envergonhe por quem não lho aceitar.
Se quiser dançar, dance. Se quiser cantar, cante. Aprenda a tocar um instrumento (a vida é vazia sem música. Faça a sua — vida e música).
E não tenha vergonha de sentir, de gostar, de ser alegre e feliz. Sentimentos são para que sejam sentidos e não para que sejam aprovados por alguém. Eles são teus. Viva-os. Jamais esconda-os.
Também não tenha vergonha de errar o chute, não acertar a cesta ou não alcançar a rede. Errar faz parte de tentar. Apenas não deixe nunca de jogar. Mesmo que te critiquem, mesmo que não te queiram, mesmo que não te escolham, olhe pra si, reúna força e faça o que puder. Mas não deixe de fazer o teu melhor.
Respeite e admire teus professores. Não é todo mundo na vida que vai se preocupar em te ensinar ou te preparar.
Sempre olhe pro céu. Olhe pra lua. Depois olhe pra si e entenda que há muito que é mais e maior que você. E daí entenda que nunca se deve ser arrogante com nada nem ninguém.
Respeite todas as pessoas, mas principalmente quem trabalha onde quer que você chegue. O dia dele pode estar pior que o seu. Seja quem ajuda a melhorar. 
Não há conhecimento inútil. Inútil é quem não tem, nem busca algum conhecimento. Portanto, estude e leia. E tenha imaginação. E se a tua imaginação te levar a sonhos gigantes, aí sim você terá descoberto o valor dos sonhos. Daí continue a sonhar.
E procure encontrar os meios de realizar teus sonhos. Jamais acredite em alguém que te diga que algo não é pra você. Só você deverá ser seu limite. O único limite.
Toda vez que você chegar num lugar, cumprimente todas as pessoas ali. Aperte suas mãos sorrindo, pergunte como elas estão e ouça suas respostas. Será melhor assim. Não precisa ter timidez.
Preste atenção à tua volta e confie no teu julgamento. Tudo o que te propuserem e você não puder confessar, nem faça. Experimente o prazer de ir pra cama sem medo e nem culpa. Fazer o certo pode até não ser o mais fácil, mas te fará mais seguro.
Quanto a ser seguro, sempre se pergunte a razão do que te afeta. Converse consigo, avalie teu dia, entenda o que te alegra e o que te faz triste e por quê. Autoconhecimento é essencial pra ser grande. Jamais queira ser pequeno na vida.
E lembre-se que ser é mais importante que ter. Seja bom, seja fiel, seja sempre jovem (mesmo depois de toda idade. Não tenha pressa para crescer ou envelhecer).
Cuidado ao se barbear. Cuida da tua pele desde novo. Nossa genética pode não te favorecer. E um pouco de vaidade não te fará mal. Apenas cuida do exagero. Não exagere nos cuidados que vão além da tua pele (alguém já ensinou: “use filtro solar”).
Agora algo muito importante: um dia você sentirá a urgência do amor e do carinho de outra mulher. Respeite-as todas. Não só a mulher que você ama. Mas talvez principalmente ela. Não se aproxime de nenhuma mulher se você não estiver disposto a ser o melhor que ela merece. Goste das mulheres. Interesse-se pelo seu mundo, pelo seu dia, pelo que ela gosta.
Não acredite em quem te diga que há coisas de homem e coisas de mulher. Coisas de menina ou coisas de menino. A vida será o que você fizer dela e não o que outros queiram fazer da tua.
Aprenda comigo: não te valerá de nada possuir uma mulher uma única vez e de forma vazia. Não chegue onde você não pretende permanecer. Não desperte sentimentos que não queira cuidar. Não seja vil.
Quando tocar uma mulher, busque que até sua alma (a dela, mas também a tua) se sinta tocada. Olhe-a nos olhos e deixa que teus olhos confessem teu encanto. Se beijá-la, que ela sinta tua vontade. E quando chegar a hora de você viver o sexo, procure ser amante presente, generoso e confidente da mulher que te receber nela.
E escuta: não importa que tenha havido outros (nem se ocupe deles): que o momento dela contigo te seja único (porque é único) e — quem sabe? —procure lhe dar motivos para que só haja você depois de você. E que haja muito de vocês. E, então, você vai descobrir que amar uma única mulher é um privilégio que nem todos têm (tomara que você tenha!). E seja você, também, só da mulher que te gosta, você gosta e que está com você. Não há mérito e nem ganho em ter vivido um número grande de mulheres.
A vida pode ser muito dura muitas vezes por isso, tenha quem te escute, te incentive, te descanse dos dias ruins. E seja esse pra ela. Não há chefe, nem há dona. Deve haver apenas dois diferentes que se querem iguais na história bonita que se desejarão.
Já te disse que estude e que leia. Isso é sério. Teu tempo parece muito, mas ninguém sabe qual o tempo que realmente tem. Então use o teu direito.
Estude um pouco todo dia. No começo será português, matemática, história e geografia. Estude caligrafia. Aos poucos você vai se acostumando com a química, a física e a biologia. Na primeira hora possível, dedique-se à filosofia e a entrar na melhor faculdade (pode até ser a de Direito se quiser), mas saiba que é você quem se forma. A responsabilidade é toda tua. Só tua. Então resista à preguiça, ao professor ruim ou às dificuldades que te vierem. Permita-se conquistas todo dia.
Ah sim: celebre tuas conquistas. Todas! Na escola, na vida. Todas. Celebre cada passagem de ano, cada aniversário, Natal e até festa junina. A vida é mais triste quando a gente acha que essas datas não são nada demais.
Quanto aos livros, escolha os melhores livros com as melhores histórias e reflita sobre elas. Leia Platão, Nietzsche, Descartes e Espinosa. Leia Rousseau, a Bíblia e Machado de Assis. Leia Pessoa, Vinicius e Drummond e se deleite com a Ismália e seu amor pelo luar. Aprenda que Aquiles foi morto por sua íbris, mas que Odisseu foi honrado porque amou sua casa e isso fortaleceu-lhe em seus propósitos. Não seja tíbio como Hamlet, nem ganancioso como Liar ou afoito como Romeu. Não há valor no ciúme. Logo, não seja possessivo como Otelo. Mas, quando amar, não seja covarde como Orfeu (sim. Se preciso, vá ao inferno pelo teu amor. Mostra pra ela que, se precisar, você provará que sabe que ela vale a exatidão de todo o preço que você quererá pagar).
Mas se faça pronto e forte para ser o apoio que sustentará a família que formará com ela. E reconheça que enquanto com ela não fez nada sozinho.
Trabalhe duro. Não deixe nada pra depois. O que tiver que ser feito, que seja feito. E o que quer que faça, faça com teu coração. Em nada ache que é irrelevante. Não importa o que te deem pra fazer, procure ser o melhor. Não por orgulho, mas por índole e vocação.
Também assista a bons filmes. Filmes que te distraiam, te descansem, mas que também te façam refletir, além de sonhar.
E ouça música clássica. Assista a uma orquestra e entenda a importância do um no todo.
Onde quer que você esteja, destaque-se pelo quê de bom você sabe e pode fazer. Mas também destaque-se por não precisar ser o dono da razão. Lembre-se que não existe uma única verdade. Respeite a forma que outros têm de ver com os olhos que têm. Os olhos deles são diferentes dos teus. Mas, se acreditar numa causa, dedique-se a ela de corpo e alma. Faça da tua vida a tua obra. Confia no teu coração.
E tenha fé. Se sentir necessidade de acreditar em Deus, acredite. É importante saber que há alguém maior que a gente que está de olho e que cuida e que conhece o nosso coração. Quando estiver triste, experimente orar. Se feche no teu quarto e peça que esse deus que você buscará te dê uma resposta. A resposta te virá.
Seja bom pra quem cruzar teu caminho. Não há mérito em ser bom só pra quem nos faz bem. Tenha olhos amorosos e espírito caridoso. Ajude a melhorar a vida de quem você puder e experimente a gratificação de dar a mão a um semelhante que bem poderia ser nosso irmão.
Mas acima de tudo, seja feliz. Acredite na felicidade e lute por ela. Não desista. Resista! Você vai conseguir alcançar. Eu já torço pra que você consiga alcançar.
E me desculpe se eu não te ver crescer. Não foi como eu queria. Tenho certeza que ainda se estivesse aí, eu teria orgulho da vida que você vai viver. Mas tenha certeza de que o dia mais feliz da vida desse teu pai foi esse dia em que eu soube que você iria nascer.
Ps.: espero que tenha dado tempo de te pegar nos meus braços, olhar pra você, te beijar e te dizer: “oi, carinha. Prazer te conhecer”.