terça-feira, 11 de setembro de 2012

Let's do It! Let's fall in love...


Uma, duas, três vezes ou mais. Se você conseguiu amar uma vez e já se deu por satisfeito, ótimo. Mas se amou, acabou e agora está aí, sem saber o que fazer, decida logo: ame! Permita-se amar e deixe que te amem de volta. Vamos nos apaixonar.
A vida até pode ser uma só, mas não é por isso que você tem que achar que o amor também é um e só. Pelo contrário: é justamente por só ter uma vida que você tem que experimentar amores e mais amores e tantos amores. É por viver uma só vida que você tem que saber das delícias de amar e ser amado nessa única vida.
Não. Não estou dizendo para você largar o amor que tem e ir atrás de outro. Se o amor que te ama é o mesmo amor que você ama e o encontro desses amores é bom, invista nele! Continue! Faça-o ainda melhor.
 O que quero dizer é que ninguém merece o “mais ou menos” na vida. Ninguém merece o morno. A vida deve ser sentida na sua inteireza. Ou é tudo ou é nada. O que for menos do que isso é pouco perto do muito que todos nós merecemos.
Ninguém tem que ir pra cama para um amor mais ou menos. Ou dar um beijo que, na verdade é meio beijo. Que o beijo seja um beijo de boca inteira e o sexo seja de derrubar paredes, porque a vida é uma só!
Sim. É importante, sim! Já dizia “Santa Rita de Sampa”: Amor sem sexo é amizade e amizade é bom, mas amizade não é paixão e a paixão é melhor.
Vai. Olha pra tua vida. Você sente hoje o mesmo frisson que já experimentou anos atrás? Sente o desejo de ser tocado ou de tocar como já sentira antes? Você se sente entregue a alguém na mesma proporção que esse alguém se entrega a você? O desejo que você sente é o mesmo que você desperta ou vocês são apenas duas vidas que se encontram de vez em quando?
A resposta, tanto quanto a vida, é tua, só tua. É você quem tem que saber.
De minha parte, sei que é bom querer e melhor ainda quando se é querido por quem se quer. É esperar que corram as horas ou passem os dias para que o teu abraço se complete no abraço que é a metade exata do teu. É querer que o sol se torne logo em lua e que apenas a noite segrede os segredos (de liquidificador?) de casais que se enamoram com prazer, volúpia, com intensa e completa satisfação.
Não há o que justifique uma vida mais ou menos. Não há o que te exija não viver a própria vida. Ouse! Faça! Realize! Torne a fazer! Recomece ou comece o novo! Não viva pela metade, não sinta só um pouco e nem se entregue menos do que o muito que é bom.
Abrace quem te faz querer abraçar. Beije quem te faz querer beijar. Não perca seu tempo com o que ainda é quando já deveria ter deixado de ser. Se já não está bom agora, nada te garante que vai estar bom mais pra frente. Agora, a gente sabe que todo começo é bom. (recomecemos?).
A prioridade deve ser sempre viver. A nossa responsabilidade deve ser sempre viver. E o principal de nós mesmos deve ser sempre estar vivo e se sentir vivo. Enquanto for bom, que seja. Quando estiver ruim, que acabe.
Não seja a causa e a consequência da falta de ser e se sentir, inteiramente, você. Entregue-se a vida e seja dela e não lute mais do que o razoável. Se está ruim agora, termine. Se terminar, recomece. Chore se precisar, mas sorria pra valer. Isso, pra mim, é viver!.

3 comentários:

Anônimo disse...

Muitoooooo Bom. Parabéns. Era tudo que eu estava precisando ler hoje.

Daniela Bernardo Vieira dos Santos disse...

Olá...

Incrível como suas palavras se encaixam numa sincronia doce como a valsa,e nos envolve e nos leva no compasso "voluptuoso" como um tango.
Parabéns pelo dom!
:p Dani

Keith disse...

Nossa sei que não é bom sair copiado mas a Daniela Bernardo disse tudo mesmo.. em resumo então lá vai novamente para afirmar:
"Incrível como suas palavras se encaixam numa sincronia/perfeita e doce como a valsa, e nos envolve e nos leva no compasso "voluptuoso" como um tango.Parabéns pelo dom!"