terça-feira, 29 de janeiro de 2013

O Desafio é se relacionar


Ontem a Folha de São Paulo publicou em seu site uma matéria do The New York Times sobre a nova geração de jovens – denominada geração Y – e a sua dificuldade em se relacionarem entre si. Na reportagem, dentre outros fatos alarmantes, narra-se a atualidade dos “não-encontros”, onde as pessoas, por julgarem que sabem tudo umas das outras, preferem se encontrar no tumulto de uma balada, cercados de pessoas, ao invés de no conforto de um jantar a dois e que, quando se interessam por alguém, já não sabem mais o protocolo do flerte, acostumados que estão em olhar, adicionar e ficar. Leia a reportagem aqui aqui .  
Essas coisas me assustam...
A sociedade de hoje parece estar sendo tomada por uma indiferença covarde. Julgamos nos expor o tempo todo, mas a verdade é que mostramos somente aquilo que pensamos ser o melhor de nós mesmos. Acreditamos que temos o controle da nossa imagem e que conseguimos manipular a forma como os outros nos veem, quando, na verdade, somos cada vez menos aqueles que nos enxergam e mais a sombra obscura de uma existência fadada a não deixar marcas, não marcar.
Estamos correndo o risco de sermos avatares de nós mesmos. Quantas e tantas não são as vezes em que passamos por uma pessoa que eventualmente conhecemos por meio de uma rede social, conversamos, curtimos e compartilhamos e, ao nos depararmos com um rosto parecido com o que vemos naquela pequena imagem que identifica um bate-papo on-line ficamos na dúvida se é mesmo aquela pessoa que julgávamos conhecer e agora mal nos damos conta que não. Será que é? Será que não é? Ficamos em dúvida e uma outra preocupação ética nos assola: “e se for e eu não falar oi? Depois ela vai me cobrar que sou simpático aqui e não cumprimento no mundo lá fora.”.
Sim. O mundo lá fora... o mundo lá fora é o que vive, o que sente, o que cheira e o que vê. O mundo lá fora é o que realmente acontece enquanto nos preocupamos com a próxima atualização do status. O mundo lá fora é o que justifica cinco e não dois sentidos, porque o mundo lá fora foi feito pra viver.
Enquanto isso, o mundo que construímos nos Facebooks da vida é o nosso faz de conta. Nele buscamos as melhores fotos dos melhores momentos dos melhores dias. No Facebook são todos felizes e, se alguém se arrisca a revelar uma dor ou acusar uma tristeza, corre sério risco de ser marginalizado. Nas redes sociais (?) somos infalíveis, beiramos a perfeição! Sabemos de tudo, temos opinião sobre tudo. Falamos sozinho com o mundo e julgamos que o mundo nos ouve e se ocupa de nós.
Nas redes sociais somos milhares, mas somos um. Estamos com vários, mas estamos sozinhos. Falamos com o mundo, mas é como quem fala ao vento quando anda pela rua sem ter ninguém ao lado. Somos todos como loucos, mesmo sendo normais.
Vivemos uma intimidade falsa e não porque nos enganam; não porque faltam com verdades para conosco, mas sim, porque nos permitimos enganar, não pelos outros, mas por nós mesmos.
Ficamos horas teclando e teclando e teclando. Falamos de nós e lemos dos outros, mas não interagimos com pessoas. Vivemos um mundo entre duas telas. Um mundo que é nosso do jeito que o queremos, mas que é vazio. Vazio de vida. Vazio de sentimento. Vazio de sensações.
Quando leio a reportagem e alguém diz que prefere não ter um encontro com quem lhe interesse, mas sim, que essa alguém o encontre como que por um acaso numa balada que tenha outras tantas pessoas, vejo que ele parece não saber o quanto perde por não estar com a pessoa de verdade.
A geração atual parece desconhecer o valor de um encontro real. Um bom jantar ou um sorvete no fim de uma tarde quente de verão, olhos nos olhos, sorrisos que sorriem e não que se imaginam; no afã de se esconder e ser quem a outra pessoa imagina, prefere ser um rosto sem pescoço numa foto pequena, a idealizar uma conversa que na verdade não existe.
Estamos todos na superfície um dos outros e sabemos cada vez menos do muito que há pra saber e parecemos não nos incomodar. Nos sujeitamos a virtualizar nossos dias e aceitamos relações que não são relações, encontros que não sem encontros, conversas que são menos do que conversas e pensamos que está bom assim.
Estamos cada vez mais sozinhos e cada vez mais presos em nós mesmos e achamos que estamos bem. Somos atrevidos sem atrevimento, porque não há atrevimento maior do que colocar a cabeça pra fora e encarar a vida de peito aberto sabendo que viver é sentir, é tocar, é gozar, rir, correr, chorar, observar, ver, ser visto e reparar o luar.
Precisamos sair das nossas cavernas, dos nossos quartos, dos nossos sonhos acordados e experimentarmos ser gente e não máquina.
Se relacionar, mais do que nunca, parece ser o novo desafio...

2 comentários:

Unknown disse...

Eu sempre falo isso, mas esse post ta MUITO BOM!! Merece publicação no FB.. rsrsrsrsrs

Ana disse...

Parabéns.. Você escreve muito bem..