segunda-feira, 4 de abril de 2011

Nem tudo começa como termina


Às vezes a vida acerta a gente em cheio. Na cabeça. Em mira perfeita de quem sabe que está prestes a mudar tudo o que até então parecia certo.

Você acorda numa manhã de sexta-feira como outra qualquer sem esperar que ao longo das primeiras horas daquela manhã tudo o que parecia ser o futuro se faz menos que o passado do que não foi.

Aquele dia todo planejado, com o mesmo começo, meio e fim de todos os outros trezentos e sessenta do ano vai acontecer no mais inesperado e vai te mudar a vida numa velocidade que, ainda no começo desse dia, você não consegue imaginar.

Você não quererá mais que o que era seja e à medida que ele continua sendo, isso, que ainda é, não satisfaz mais. Tudo mudou. Nem as cores em volta do mundo são as mesmas. Você precisa do que até então nunca teria sido, mas que parece definir o que, dali pra frente, você tem certeza que será.

E, de repente, te parece que mesmo isso nunca é. O mundo que a gente enxerga nem sempre é aquele em que a gente vive e os pensamentos que você pensa, só quem pensa é você. E mesmo essa nova certeza se acompanha de toda sorte de incertezas. E você que parecia saber tudo, agora já não sabe de mais nada.

Mas não há quem tire da gente a lembrança do que foi. Daquela sexta-feira que se misturou ao sábado e que tantos sábados depois é como se fosse o ontem do hoje que pode ser qualquer dia.

Até um dia...

5 comentários:

Maninha disse...

Nossa! uma reflexão um tanto quanto profunda!

Vanderlei Kloos disse...

Texto bonito, mas como já te conheço um pouco... ASSUSTA...

Meu Trovador predileto, não leve a vida tão a sério, você tem tempo e idade para se divertir e rir dela; pratique as palavras de TALLULAH BROCKMAN BANKHEAD – Atriz americana que viveu de 1902 a 1968, que assim disse: “Se eu tivesse que viver a minha vida novamente, eu cometeria os mesmos erros, só que mais cedo”.

carpe diem quam minimum credula postero
aproveite o dia, confia o mínimo no amanhã

Thonny Hawany disse...

Adoro ler textos bem escritos. Adorei refletir com a você sobre a possibilidade de nem tudo estar certo como se imagina. Nem todas as sextas-feiras podem ser sextas-feiras. Nem tudo é do jeito que planejamos. Vivemos num mundo que também planeja, o que planejamos pode não ser o que o mundo planejou. E quando isso acontece, somos surpreendidos pelos nossos planejamentos que desprezou o planejamento do outro e do mundo. Parabéns pela bela reflexão.

Gleise Horn disse...

"O mundo que a gente enxerga nem sempre é aquele em que a gente vive e os pensamentos que você pensa, só quem pensa é você". Nas segundas-feiras isso costuma doer muito.

Euterpe disse...

Muitas certezas por vezes temos, mas estas, são tão incertas, quanto o minuto seguinte.
Os bons momentos devem ser aproveitados até o ultimo segundo, pois nunca se sabe quando outra oportunidade nos será dada.
Deixamos de nos entregar a vida, por estarmos convencidos, de que, aquele momento, único, maravilhoso, vivido outrora, certamente se repetirá com maior perfeição, e nos mudará o destino, nos trará felicidade maior, do que aqueles poucos e maravilhosos segundos ao qual nos deleitamos outrora, nos trouxeram. Mas na verdade ele nunca virá.
Um conselho: “viva cada momento, definitivamente, como se fosse o ultimo, pois na maioria das vezes ele o é”, afinal a única certeza que temos é que nossos olhos estão abertos AGORA; no minuto seguinte, podemos até, “virar hipótese”. Abraços!!