quinta-feira, 25 de julho de 2013

GENTE CHATA É CHATA (e aqui está cada dia mais cheio deles)

Certa vez vi alguém comparar as postagens no Facebook ou no twitter àquelas mensagens postas em garrafas lançadas ao mar. À época, achei a comparação pertinente. Lançava-se o pensamento e guardava consigo a expectativa daquela mensagem ser encontrada em algum tempo, algum momento ou até em algum lugar inusitado. Mas hoje vejo que não.
Quanto mais “convivo” neste mundo tão peculiar (já que preso em si mesmo) do Facebook, mais percebo que as pessoas (e o texto poderia vir em primeira pessoa tranquilamente) não guardam uma expectativa abstrata de atingirem alguém.
Não! A meu ver, o que querem é o louro e o aplauso concreto. Imediato. Instantâneo. Querem a fama traduzida em “curtidas”, comentários de quem concorda, compartilhamentos que os exaltem.
É, a partir daí, que se passa a ter os mal-humorados profissionais sempre prontos para espezinhar as postagens alheias ou a ridicularizar quem quer que seja, porque acham que assim serão engraçados (tal qual o valentão que pratica bullying na escola). Esses me parecem sempre os mais bobos. Aqueles que sofreram durante anos e agora, protegidos pelo escudo da tela para a qual olham, falam agora o que o medo sempre lhes fez calar.
Além desses temos também os reparadores, os devotos, os arautos, os zombadores... todos no afã de serem notados como pessoas que pensam, que sentem, e postos como se todos estivessem num grito angustiante e angustiado de serem queridos e serem notados.
Cada vez mais as “redes sociais” se veem repletas de vários vaidosos de suas próprias opiniões, defendendo-se dos que nem os atacaram e agindo como se a vida fosse uma eterna batalha sobre quem tem mais razão. Não contentes em terem sua própria opinião, as pessoas querem, a partir dela, sugestionar as opiniões dos outros. No mundo virtual todos se julgam verdadeiros formadores de opinião e levam isso a sério. Vestem a personagem até com certa cerimônia.
Aliás, o mundo virtual, que de sério não tem nada, acaba aparecendo como cenário de disputas vazias de pessoas orgulhosas de si mesmas, sempre prontas a tentarem fazer com que nos sintamos mal por não termos tido a sorte de termos nascido eles.
E assim sou eu, assim é você (até mesmo você que leu tudo isso pensando que você não é).

Só que a vida, essa se vive do lado de fora daqui. Vamos pra lá?

Um comentário:

Dani Bernardo disse...

Olá, Professor!
De fato as redes sociais se tornaram "cabides" de Egos inflados. Pessoas postam comentários para serem populares, mesmo que muitas vez nem saibam o significado de seus posts ou nem acreditam naquelas ideias, pois para eles o importante é agradar.